quinta-feira, 16 de julho de 2009

Dia da cidadania - 2ª parte

Resolvo ligar pro meu tio:

- Fala, garoto!
- Oi, tio! tudo bem?
- Tudo bem, filho!
- Já estou aqui na sua casa!
- Ok, já estou chegando e...
- Tio, a certidão de nascimento deve ser original?
- Sim, deve sim!
- Mas não serve a autenticada?
- Não!
- Cu, vou pra casa e já volto.
- Seu zé piroca! Não faz nada direito!

Volto pra casa e pego a original. Indo novamente pro meu tio, encontro o elevador novamente me esperando. Que ótimo! Apesar do que houve, hoje deve ser meu dia, afinal, não é todo dia que esse troço tá de bom-humor.


O Tio já estava tirando as compras do carrinho quando me viu e disse:

- Filho, tira essa bermuda! Você tem que ir pra lá de calça.
- O quê!? Não creio! PQP!

Em casa (de novo ¬¬'), ponho a calça e lá estou eu pela milionésima vez em frente ao elevador.
 
Desta vez, o maldito sobe até o último andar. Ele realmente estava me sacaneando, sabia que eu teria que ir e voltar duas vezes. Agora eu acho que hoje não é meu dia =/
 
Com o elevador no térreo, meu tio sai dele com meus documentos. Me conduziu até o carro feliz da vida, dizendo que que aquele dia era muito especial pra mim e tal, esses papos de classe média metida a nacionalista, mas que adora falar mal do governo e da Petrobrás; acha que o Lula é pior do que os generais, que sumiram com milhares de inocentes e empobreceram o povo sob a desculpa da “Segurança Nacional”; segurança do poder nas mãos das elites, tanto da cidade quanto do campo, isso sim.
 
Bem, voltando ao meu dia, no caminho, perguntei:

- Tio, onde fica a Junta Militar?
- Ah, fica próximo ao cemitério.
- Nossa, tudo a ver com as Forças Armadas!

Como num passe de mágica, a expressão do meu tio muda drasticamente. Com as sobrancelhas cerradas, ele começa o interrogatório:

- Como assim? Não entendi. Explique-se melhor.

Me senti como um prego, prestes a ser pregado na tábua dos bons costumes. Meu tio tem verdadeiros olhos de martelo.Tempo negro, temperatura sufocante. Encontro uma desculpa:

- Eh... bem, sabe como é, né, tio? Tem as guerras, os soldados morrem... os que forem daqui já poderão ser enterrados direto e...
- Filho, você só irá se apresentar! É óbvio que se você não quiser servir, você não irá servir! Já se passou da época em que...
- Eles vão nos colocar pelados? - do nada.
- Bem, aí é outra história. Eles te colocam pelado em fila indiana. A merda é se você for o primeiro da fila [olhos de martelo continuam ligados].

(Silêncio)∞.

- É sacanagem, bundão! [olhos de martelo mode off]

E começou a rir sem parar da minha cara de bunda. Fêla da puta...
*************


Veja também:
1a parte

Pessoal, malz aew pela falta de atualizações. Pequenos problemas com o curso de inglês, devido às provas pendentes. Já que sempre quando eu prometo crônica, ela vem atrasada, não vou prometer nada pro fim de semana. Quem sabe assim eu não paro com essa mania de desapontar vocês (espero). Abçs e /bjsmeliga =*******







2 comentários:

Joy disse...

Well, continua bom!! Hehehe!!

Ah!!.. E pq vc não tira essa coisinha chata daqui de baixo? A verificação de palavras.

Diego Azevedo Sodré disse...

Joy essa coisinha, que eu também acho chata pacas, é necessária, pois, sem ela, haveria spams d+ e tal... obrigado por ler o conto e pode ter certeza que coisa melhor vem por aí! \o/